24 Fev
Viseu

Entrevista

Missão Ajudar a Amparar: “Uma missão pode custar cerca de sete mil euros”

por Redação

02 de Fevereiro de 2020, 12:00

Foto Arquivo Jornal do Centro

Centro Solidário com o mentor do projeto, Hamilton Costa

TÓPICOS

Centro Solidário

entrevista

CLIPS ÁUDIO

O projeto Ajudar a Amparar S. Tomé e Príncipe foi criado há mais de 10 anos a partir de Viseu com o objetivo de ajudar pessoas carenciadas. O mentor Hamilton Costa fala da iniciativa que apoia milhares de pessoas.

Como surgiu o projeto?

Surgiu muito naturalmente e não foi pensado. Cada vez que ia a S. Tomé passar férias levava sempre alguns artigos, na bagagem, para dar aos mais necessitados e pessoas conhecidas. Com o tempo fui conhecendo mais pessoas que precisavam e comecei a levar mais bens, desde roupa, calçado, livros, brinquedos, etc. Comecei por levar cerca de 14 quilos e atualmente levo cerca de 14 toneladas.

Sente dificuldades em enviar os bens?

O povo de Viseu é muito generoso e quando é chamado a participar colabora em força. O único problema é a angariação do dinheiro para enviar os bens no contentor e para as despesas da alfândega em S. Tomé. Uma missão pode custar cerca de sete mil euros.

É um projeto para ter continuidade?

Tem de ter continuidade. Apesar das dificuldades não consigo separar-me do projeto e quando dou conta já tenho mais bens para enviar. Já enviei ajudas também para Cabo Verde, Angola, Moçambique e até ajudamos pessoas da região de Viseu.

E para este ano está prevista alguma missão?

Tentamos fazer uma missão por ano, mas se tivéssemos mais apoio tínhamos material para enviar mais vezes. Para este ano já temos várias caixas prontas. Estou a pensar enviar um contentor em finais de março ou início de abril. Vou lá em maio e quero nessa altura fazer a distribuição pelos mais carenciados de S. Tomé.