Geral

11 de 03 de 2023, 06:30

Colunistas

Vem aí um Centro de Artes e Espectáculos de Viseu

Tudo depende, como já ia escrito no último texto que escrevi para o Jornal do Centro, do que pensam, e o que fazem com o que pensam, os decisores políticos

Guilherme Gomes

Imagino que tenha acontecido desta maneira: ao estudar o sector artístico na cidade, as suas características e potencial de crescimento, o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido ao longo dos anos neste sector neste território, depois de perceber os hábitos culturais das pessoas que habitam o território, de ter contactado com as entidades de referência, escutado o próprio sector, desenvolvido uma visão consequente, lido sobre o que tem vindo a ser feito noutros contextos, o Dr. Fernando Ruas entendeu que o melhor investimento para o sector artístico local seria a construção de um Centro de Artes e Espectáculos. Digo “o melhor”, por se tratar de um investimento expressivo. No site do Município podemos ler esta semana que foi “aprovada, em reunião de Câmara, a abertura do procedimento de concurso público para elaboração do projeto de execução do Centro de Artes e Espetáculos de Viseu, no valor de 15,5 milhões de euros”.

15,5 milhões de euros é um valor que enche a vista, que o senhor presidente espera poder complementar com fundos europeus, e para o qual “o Município de Viseu pretende fazer face a alguns dos custos da empreitada com a venda de um terreno previamente adquirido, junto à antiga estação ferroviária”. Não há como negar, 15,5 milhões de euros é muito dinheiro, e por isso só se justifica por uma forte convicção na consequência que este investimento terá no território; no contributo que trará para o bem-estar a população.

Sobre isso, seria interessante saber um pouco mais.

Por enquanto, em todos os artigos que leio sobre o assunto encontro a informação de que este equipamento funcionará como complemento ao Pavilhão Multiusos - relação que, enquanto espectador e agente artístico não compreendo totalmente. Porque não há, em todas as notícias que leio, uma referência à sala de espectáculos mais importante no contexto local, o Teatro Viriato? Como se pode encarar o silêncio em relação ao que isto significa para este outro equipamento?

15,5 milhões de euros é um investimento demasiado grande para deixar dúvidas sobre o seu objectivo.

Claro que é um investimento que não deixo de encarar com um certo optimismo: afinal de contas é mais uma sala de espectáculos na cidade. Mas, ao contrário do que se possa pensar, os agentes culturais não esperam apenas que o investimento no sector seja maior (sendo que este ainda não o é, por enquanto será um investimento no sector da construção civil). Interessa saber que direcção tem esse investimento, que horizonte. Qual é a cidade futura que este equipamento ajuda a construir?

Pela minha parte, parece-me que a construção destas “catedrais” deve acontecer em contextos específicos. Um pouco como na agricultura, devemos preparar o terreno para as intervenções que nele faremos. Receio que este equipamento caia na cidade como qualquer coisa fora de escala.

Se tivesse feito parte do grupo ligado ao sector que o senhor presidente auscultou (só posso imaginar que houve essa escuta), teria sugerido o aproveitamento de diferentes espaços de pequena dimensão na cidade para a concessão por concurso a estruturas que desenvolvam o seu trabalho no território, que estão a formar público e a desenvolver linguagens artísticas, que poderiam crescer na sua capacidade de programação. Espaços pequenos, garagens ou lojas devolutas que pudessem ser reabilitados com muito menos que 15,5 milhões de euros e transformados em blackboxes para as artes performativas, ou galerias ou oficinas para as artes plásticas, salas de trabalho partilhado, enfim, pólos culturais activos e acessíveis na cidade, em diálogo estreito com a sua vizinhança. Promovia o investimento na valorização do sector, através de um gabinete de apoio, acções de formação, ferramentas de divulgação, promoção dos agentes locais no contexto nacional e internacional. Com certeza que, no meio da sua pesquisa, o Dr. Fernando Ruas se cruzou com o impacto que projectos deste género, apesar de modestos, tiveram nas comunidades em que se inserem. Com certeza que leu sobre o Cultura em Expansão ou a ocupação do centro comercial STOP, no Porto, ou sobre a Casa Conveniente, em Lisboa; ou nem tanto, bastaria estudar o impacto de projectos já implementados na cidade. Ver o que acontece quando se criam lugares de trabalho e apresentação para as disciplinas artísticas que dialogam com a cidade.

São diferentes formas de encarar a construção de um Serviço Público de Cultura. Tudo depende, como já ia escrito no último texto que escrevi para o Jornal do Centro, do que pensam, e o que fazem com o que pensam, os decisores políticos. Deste lado, somos todos ouvidos.



Guilherme Gomes - director artístico do projecto CRETA

13 de 04 de 2024, 14:00

Impressão Digital

Há muitas razões para que isso possa acontecer, umas por crença no partido do governo, crença nos partidos da oposição, dever de o...

13 de 04 de 2024, 12:00

Tempo do diálogo

Seria surpreendente se todos soubessem ao que vinham, porque, simplesmente, nem faziam ideia de que a poderiam integrar