Diogo Paredes

11 de 02 de 2024, 15:00

Cultura

Biblioterapia: quando os livros ''curam'' a alma e promovem a saúde mental

No Hospital Psiquiátrico de Abraveses, realizou-se um projeto cuja terapêutica consistiu na leitura e reflexão de textos literários. O resultado foi “bastante positivo”

livro 223

Um dos mitos acerca da biblioteca de Alexandria conta que por cima da entrada para este edifício existia uma placa onde era possível ler “aqui, cura-se a alma”. De facto, no Egito, as bibliotecas existentes seriam chamadas de “tesouro dos remédios da alma”.

Atualmente, uma das vertentes terapêuticas utilizada para a promoção da saúde mental é a biblioterapia. De acordo com Teresa Fonseca, escritora de livros infantis e investigadora diplomada em Estudos Avançados em Biblioteconomia, a biblioterapia é uma “terapia de emoções que pretende essencialmente ajudar a superar o medo, a tristeza e a focalização na doença, proporcionando um alívio e superação das nossas fragilidades emocionais”. Em Portugal, segundo a investigadora, “já se vem efetuando um pouco este tipo de trabalho, embora de forma incipiente”.

“É necessário conhecer um pouco os doentes e as pessoas de modo a oferecer-lhes e recomendar-lhes a leitura adequada no momento certo. Leitura de livro para situações de pânico, ansiedade, stress, fobias, falta de autoestima, fadiga, apatia, desapego, luto”, contou Teresa Fonseca. A escritora explicou que a leitura orientada por profissionais na área da saúde mental pode aliviar os sentimentos ligados a perturbações do foro mental, representando uma oportunidade única para o doente. Isto porque além de colaborar no tratamento enquanto terapêutica, a biblioterapia “possibilita a ampliação dos conhecimentos, assim como dos momentos de felicidade, de evasão e de alívio do mal-estar”. A investigadora esclareceu ainda que a biblioterapia é uma forma de comunicação que “possibilita trabalhar as emoções do paciente, atuando ao mesmo tempo como auxiliar do tratamento médico tradicional”.

(Ler mais na edição impressa desta sexta-feira do Jornal do Centro)