Geral

18 de 05 de 2021, 15:43

Cultura

Campanha "O Museu é Meu" chegou ao Museu Grão Vasco

Iniciativa arrancou em Viseu, no Dia Internacional dos Museus

O museu e meu 18 de maio

Fotógrafo: O museu e meu 18 de maio

O Museu Nacional Grão Vasco, em Viseu, recebeu esta manhã de terça-feira (18 de maio), Dia Internacional dos Museus, a campanha “O Museu é Meu”.

A ação foi lançada pela Direção Geral de Património Cultural. A campanha vai utilizar a arte, a inovação e a provocação para colocar as pessoas no centro da estratégia museológica e dar uma nova vida aos museus locais.

A Direção Geral de Património Cultural fez uma parceria com uma agência criativa para desenvolver a estratégia. Catarina Gomes, da Manicómio the Agência, diz que os museus têm de passar a imagem de que pertencem a todos.

“Esta é uma campanha que vai decorrer em todo o Portugal continental e nas ilhas nos próximos três anos e que quer reaproximar os museus das pessoas que vivem neste território. O nome quer dizer que os museus, apesar de terem paredes e parecerem instituições fechadas, são de todos nós, são o nosso passado e presente, serão o nosso futuro e podem ser construídos pelas pessoas”, explica.

Para esta iniciativa, foram recriadas figuras da época de Vasco Fernandes, conhecido como o pintor Grão Vasco, e espalhados cartazes com a mensagem “O Museu é Meu”. O segredo, garante Catarina Gomes, é os museus se adaptarem à região onde estão.

“É uma adaptação ao território, porque não podemos trabalhar de uma forma homogénea nos museus e temos de reconhecer que eles têm a sua localidade, o seu ambiente e os seus vizinhos. Nós queremos mostrar que os museus se adaptam às pessoas que os visitam, por isso a adaptação é crucial para o sucesso da estratégia futura dos museus”, diz.

Além de Viseu, a campanha “O Museu é Meu” também já arrancou na última segunda-feira (17 de maio) em Évora, no Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo.

A campanha quer como missão “humanizar o espaço museológico”, com base em três pilares pessoas e novos públicos, arte e identidade, e reconexão e abertura ao local.