Geral

07 de 04 de 2021, 21:55

Diário

Óbito/Jorge Coelho: reações à morte do empreendedor, político e defensor de causas

O presidente do PS elogiou Jorge Coelho por ser um “conselheiro prestante”

Imagem

A ministra de Estado e da Presidência lamentou a morte de Jorge Coelho, “uma figura incontornável da política nacional” que em todas as áreas da sua vida mostrou “enorme dedicação e um espírito combativo ímpar”.

Em comunicado, Mariana Vieira da Silva “lamenta profundamente a morte do ex-ministro Jorge Coelho, que assumiu a pasta da Presidência do Conselho de Ministros no XIV Governo Constitucional”, apresentando sentidas condolências à família e amigos.
Já o dirigente socialista e presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, recordou hoje Jorge Coelho como “o socialista mais querido de todos” e que “a todos unia”.
Numa mensagem divulgada nas redes sociais, Medina começa por dizer que “escrever sobre a morte de Jorge Coelho hoje é um choque”, revelando que ainda na terça-feira tiveram um encontro “de horas a discutir política e a falar sobre a vida” e hoje continuaram a conversa por mensagem, antes da “notícia trágica”.

O presidente do PS, Carlos César, lamentou a “terrível, inesperada e desanimadora notícia” da morte de Jorge Coelho, elogiando a frontalidade, clareza, argúcia, labor, empreendedorismo e bondade do socialista.
“Foi, para mim, como para tantos, uma terrível, inesperada e desanimadora notícia. Fica a faltar mais um amigo. Um amigo, desde que o conheci. Um camarada, nos sucessos e nos insucessos políticos e partidários”, referiu Carlos César, numa publicação na rede social Facebook, na qual partilhou o vídeo com a declaração do secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, a propósito da morte de Jorge Coelho.
O presidente do PS elogiou Jorge Coelho por ser um “conselheiro prestante” e “uma fonte de energia, donde brotou muito do que o PS, a política e as pessoas podem ter de bom”, ou seja, frontalidade, clareza, argúcia, labor, empreendedorismo e bondade.

Também o dirigente socialista João Soares recordo-o como um amigo e homem de “caráter”, “coragem” e “grande lealdade”, que estava sempre “do lado das soluções”.
“Um homem que cultivava as boas relações com as pessoas, mesmo com os seus adversários políticos. Era um homem que aguentava com o maior dos ‘fair-play’ as críticas que lhe eram feitas. E era um homem que procurava estar sempre, e deu imensas provas nas circunstâncias às vezes mais difíceis, estar do lado das soluções e não do lado do agravar dos problemas”, considerou. 

As reações à morte do histórico socialista chegam de vários quadrantes. O ministro da Administração Interna destacou a “extraordinária dedicação ao serviço público e à democracia” prestada durante décadas pelo antigo ministro Jorge Coelho e recordou a sua passagem por este Ministério.
“Foi com profunda tristeza que tomei conhecimento do falecimento do Dr. Jorge Coelho, distinto governante português nos XIII e XIV Governos constitucionais e, designadamente, ministro da Administração Interna entre 25 de novembro de 1997 e 25 de outubro de 1999”, refere Eduardo Cabrita, numa nota de pesar.
Já a antiga ministra socialista Maria de Belém disse estar "devastada" com a morte do antigo ministro e ex-dirigente socialista Jorge Coelho, que recordou como um "amigo excecional" que vai fazer "muita falta".
"Era um amigo excecional, uma personalidade da vida política que foi absolutamente central em muitos momentos da vida pública portuguesa, que desempenhou todas as tarefas que abraçou com uma generosidade, uma dedicação, uma alegria e uma força extraordinárias e que sempre deu provas de um agudíssimo sentido de oportunidade na política, mas da oportunidade em termos de prioridade das prioridades", destacou Maria de Belém.

Jorge Coelho, ministro dos governos liderados por António Guterres entre 1995 e 2002, morreu hoje, segundo fonte do PS, vítima de paragem cardíaca fulminante.

Jorge Coelho foi ministro de três pastas: ministro Adjunto; ministro da Administração Interna; ministro da Presidência e do Equipamento Social.

A partir de 1992, com Guterres na liderança, Jorge Coelho foi secretário nacional para a organização, contribuindo para a vitória eleitoral dos socialistas nas legislativas outubro de 1995.

Nascido em 17 de julho de 1954, em Viseu, Jorge Coelho era empresário, mas continuou sempre a acompanhar a atividade política, nomeadamente na Conversa Central no Jornal do Centro.

Jorge Coelho marcou a atividade política ao demitir-se do cargo de ministro do Equipamento do executivo de António Guterres após a queda da ponte de Entre-os-Rios em 04 de março de 2001, alegando que "a culpa não pode morrer solteira".

Mais Notícias