Geral

21 de 07 de 2021, 17:06

Especiais

Autárquicas: Iniciativa Liberal quer ser uma “alternativa séria, credível e positiva” em Viseu

Partido diz que quer devolver o poder às pessoas, reduzir a carga fiscal municipal e combater a desertificação rural

Iniciativa Liberal

O partido Iniciativa Liberal (IL) apresentou o seu programa para as autárquicas de 26 de setembro em Viseu, propondo afirmar-se como uma “alternativa séria, credível e positiva”.

A candidatura liderada pelo coronel Fernando Figueiredo, candidato à Câmara, propõe “uma solução que melhore não só a vida de quem vive e trabalha em Viseu, mas que contribua também para promover um País mais liberal”.

Numa apresentação divulgada esta quarta-feira (21 de julho) nas redes sociais, Fernando Figueiredo disse que o programa da sua candidatura propõe que Viseu “continue a sua trajetória de desenvolvimento positivo e que se consolide enquanto coração do interior de Portugal”.

O coronel defendeu os valores e as políticas liberais como “o caminho para afirmar Viseu como um concelho capaz de liderar a transformação no interior de Portugal”.

No seu programa político, o IL diz que quer devolver o poder às pessoas “com menos impostos e mais liberdade de escolha” e aproximar o poder da população “com menos centralismo e mais escrutínio do poder político”, além de combater a corrupção e promover uma maior transparência na administração pública e nos processos de decisão.

Os liberais querem também “aumentar a competitividade, atraindo capital e libertando os contribuintes dos prejuízos de empresas públicas ineficientes” e ainda crescer “de forma sustentada, em linha com as nossas vantagens competitivas”.

A candidatura apresentou as suas 10 bandeiras eleitorais para Viseu, como a concentração dos gastos para áreas essenciais de atuação como a segurança, a justiça, a saúde e a educação, além da simplificação e redução da carga fiscal municipal.

Outra das propostas passa pela implementação de um orçamento da Câmara de base zero anual, bem como pela democratização da informação, pela transformação digital, pela simplificação e desburocratização dos serviços municipais e pela descentralização de serviços da Câmara para as juntas de freguesia, baseando-se em critérios de eficiência e considerando o serviço ao munícipe.

O IL defende também a “eliminação de todas as barreiras de mercado ao surgimento de novos negócios, com regras transparentes focadas apenas na proteção do consumidor” e o combate à desertificação do meio rural.

Os liberais também querem promover a iniciativa privada “que potencie a exploração sustentável dos recursos locais e o desenvolvimento do meio rural” e criar condições para que as pessoas tenham “uma verdadeira oportunidade de escolha ao nível da Educação, Saúde e Segurança Social”.

Reconhecendo que tem menos recursos em comparação com os partidos históricos, o IL assume-se como o primeiro partido que dá a conhecer aos viseenses as suas ideias e as pessoas que integram as listas para as autárquicas de Viseu.

A lista para a Câmara, encabeçada por Fernando Figueiredo, tem como número dois a professora do ensino superior Sandra Antunes e é também composta por Cristina Fonseca, Sérgio Figueiredo, Fátima Colaço, Pedro Esteves, Filipe Barbosa, Andreia Cunha, Miguel Lemos, Nanja Kroon, António Luís Martins e Custódio Fernandes.

A lista para a Assembleia Municipal, liderada por Pedro Pereira, será apresentada na íntegra a 7 de agosto. O partido vai ainda concorrer a nove freguesias do concelho viseense. Esta é a primeira vez que o IL participa numas autárquicas em Viseu.