Geral

16 de 06 de 2024, 10:01

Lifestyle

Nelas: Do centro histórico de Canas de Senhorim à aldeia cultural de Lapa do Lobo

Localizado em pleno coração da Região Demarcada do Dão, o concelho de Nelas tem uma história que remonta à época romana, segundo os vários vestígios arqueológicos encontrados na zona. Cresceu ao longo dos séculos, com a agricultura e a viticultura a desempenhar um papel importante na economia local

Conhecida pela sua rica história, pelas paisagens vinhateiras, pelo património arquitetónico e pelo termalismo, Nelas tem muitos pontos de interesse para conhecer. Este roteiro vai ajudar a explorar a diversidade desta terra vitivinícola.

Uma vila com uma longa história
O coração espiritual da vila é a Igreja Matriz, uma construção que passou por diferentes períodos arquitetónicos. O Pelourinho representa a autonomia municipal e é um marco de importância histórica.
A Praça do Município é o espaço central da vila de Nelas onde se localiza o edifício da Câmara Municipal e demais serviços. Situada no centro, a Casa de Tavares, é o único solar com brasão e origens no século XVI em Nelas, pertencente à família Tavares.
Mesmo ao lado, encontra-se a Estátua ao Escanção Por Bem Servir, uma escultura de bronze que representa o perito em provas de vinhos com os atributos necessários à apreciação das características aromáticas e gustativas do néctar do Dão.

Uma estância termal para repousar ou recuperar
As Caldas da Felgueira são uma estância termal situada no seio de uma paisagem rural do vale do alto Mondego, que conjuga saúde, descanso e lazer. O seu centro termal equipado com modernas e amplas instalações, está vocacionado
para tratamentos das vias respiratórias, doenças reumáticas e músculo esqueléticas, tendo também programas de bem-estar, equilíbrio e beleza.
Para além das termas, a visita às Caldas da Felgueira completa-se com uma passagem pela Capela de Nossa Senhora de Fátima e pela Capela da Nossa Senhora do Bom Sucesso.

Santar, a nobre vila vinhateira
Em Santar, há muito para ver. As vinhas e os vinhos destacam-se, desde logo. Touriga Nacional, Tinta Roriz, Alfrocheiro, Jaen e Encruzado, Malvasia Fina, Cerceal Branco e Bical, são as castas que existem na maior vinha contínua do Dão, com cerca de 103 hectares.
Qualquer roteiro na vila tem início na Casa dos Condes de Santar e Magalhães do século XVI, com o seu jardim, possivelmente de influência italiana, datado do final do século XVII/ XVIII.
A Quinta de Santar, para além das adegas, tem uma Sala das Barricas que acolhe o conjunto de barricas de carvalho francês, onde os vinhos tintos e alguns brancos estagiam. Junto à antiga sala de provas, encontra-se a sala de espólio revestida a granito com a finalidade de manter uma temperatura baixa e constante para melhor conservação dos vinhos. O espólio apresenta vinhos de 1955, de grande valor que são ocasionalmente abertos.
A Casa do Soito e Paço dos Cunhas de Santar são dois antigos palacetes de diferentes épocas, integrados numa grande quinta com quatro séculos de história, recentemente convertidos num empreendimento de enoturismo.
Para além das quintas, há ainda a Igreja da Misericórdia datada do século XVII, com interior barroco e a Igreja de São Pedro (Matriz de Santar) com as suas sólidas paredes de pedra e torres altaneiras que se erguem majestosamente no coração da vila. O Cruzeiro do Largo do Paço e a Casa das Fidalgas e Fonte, antigo solar, recentemente, recuperado para dar lugar a um hotel de charme, também merecem uma visita.

Solares e mais solares na vila de Canas de Senhorim
São pelo menos três, as casas nobres existentes na vila. O Solar dos Abreu Madeira é um imóvel com elementos arquitetónicos de diferentes épocas, destacando-se pela sua longa fachada seccionada por pilastras.
A Casa do Godinho de planta longitudinal, com fachadas em cantaria aparente, desenvolve-se em dois pisos. A Casa do Cruzeiro maneirista, alpendrada com colunata de capitéis dóricos na fachada principal, e a Casa do Visconde de Pedralva do século XVIII, construída pelo Visconde de Pedralva, classificada como Património de Interesse Municipal justificam ainda a passagem por Canas de Senhorim.
Completam o roteiro, o Pelourinho de Canas de Senhorim, a Igreja do Salvador (Matriz de Canas de Senhorim) datada do século XVIII, com a sua fachada joanina, e a Orca das Pramelas nas imediações da vila, um monumento megalítico formado por câmara funerária de planta trapezoidal e classificado como Imóvel de Interesse Público desde 2002.

Outros pontos de interesse no concelho de Nelas
A freguesia de Vilar Seco dista cerca de 4 km da vila de Nelas e possui inúmeros vestígios arqueológicos que comprovam a sua antiguidade. Os solares existentes testemunham igualmente a presença de famílias ancestrais, que ainda hoje continuam a sua linhagem. Exemplo disso é o Solar da Família Ponces de Carvalho, em excelentes condições, o Solar e Capela dos Condes de Prime e a Casa e Capela do Eng. Álvaro de Albuquerque.
A Igreja Matriz ou Paroquial de Vilar Seco, dedicada a Nossa Senhora do Ó, o Coreto de Vilar Seco, o Pelourinho, o Busto do Doutor Fortunato de Almeida, historiador afamado, e a Estátua do Cristo Rei merecem uma visita, bem como o Parque Ecológico da Quinta da Cerca, ideal para usufruir da natureza.
Lapa do Lobo é uma aldeia muito especial, uma aldeia cheia de vida e movimento onde muitas coisas fora do comum existem e acontecem. O roteiro começa no Antigo Solar - Lapa do Lobo, segue a estreita rua passando pela Capela de Santa Catarina, padroeira que se mistura com a lenda do Lobo da Lapa, e termina na Fundação Lapa do Lobo com o seu auditório, biblioteca, espaço internet, e vários programas de apoio estudantil, com
uma agenda regular de exposições, concertos, workshops e outras atividades culturais de acesso gratuito.
Denominada outrora por Vila Nova das Amoreiras (Villa Nuova no termo das Moreiras de Senhorim), Aguieira possui pontos de interesse com a Igreja de S. Simão, a Alminha, o Chafariz, a Fonte de Mergulho medieval, o pelourinho, e a Casa do Torreão ou do “Brasileiro”, datada de inícios do século XX, com uma arquitetura de imitação das residências dos fazendeiros brasileiros. Mais abaixo, encontra-se a Casa Sacadura Bote com o seu brasão e a sua capela privativa, um solar edificado nos finais do século XVII.
Carvalhal Redondo, Moreira, São João Monte, Vila Ruiva e Senhorim também merecem uma visita.
Em Nelas existem ainda diversas quintas que promovem visitas e provas de vinhos. A Casa de Santar, a Quinta do Sobral, a Quinta Caminhos Cruzados ou a Quinta da Fata, são os espaços indicados para uma visita e degustação.

Tradição e sabor à mesa
A gastronomia do concelho mantém as tradições culinárias da Região Dão Lafões. Pato à moda da Beira, entrecosto cozido com feijões e grelos, caldeirada de cabrito são alguns dos pratos típicos.
O destaque vai ainda para as variedades de pão, que complementam todas as refeições: Pão de mistura, de centeio, broa de milho, acompanhado pelo Queijo da Serra. Com base em receitas antigas surgem os doces, como o leite-creme, arroz doce, pudim de requeijão ou de pão, papas de milho, e uma variedade de bolinhos e pastéis tradicionais.
O Restaurante Bem Haja apresenta uma gastronomia de regalar o paladar, com pratos típicos da região com um toque de inovação. Também o Restaurante Taberna da Adega, inserido na adega, se apresenta como um espaço de boa gastronomia e bons vinhos. Para finalizar, e pelas mãos do chef, o Restaurante Paço dos Cunhas de Santar reinterpreta a cozinha tradicional portuguesa e o resultado traduz-se em pratos surpreendentes, onde o passado e o presente se cruzam de forma inesperada.