Geral

31 de 03 de 2024, 11:01

Lifestyle

Percurso Literário: pelas memórias de António Lobo Antunes

O trajeto proposto é baseado nos seis livros de Crónicas de António Lobo Antunes, coleção existente na Biblioteca Municipal com o seu nome

Nelas

“Percurso Literário: pelas memórias de António Lobo Antunes” nasce na primavera de 2023 em Nelas, concretamente por iniciativa do Serviço de Biblioteca, Arquivo e Património Cultural do Município de Nelas no âmbito da 7.a edição do Festival ELOS. Evoca António Lobo Antunes através das Crónicas, uma amostra versátil e talentosa da sua obra que imortaliza memórias de juventude, decorrentes das férias passadas na casa dos avós maternos em Nelas. É em jeito de percurso literário que se pretende descortinar, perante toda a comunidade local e visitantes, a ligação pessoal e literária de António Lobo Antunes a esta vila, calcorreando as suas ruas, praças e lugares emblemáticos.
O trajeto proposto é baseado nos seis livros de Crónicas de António Lobo Antunes, coleção existente na Biblioteca Municipal de seu nome. Conjuga a leitura de excertos com o património arquitetónico e as estórias locais, numa sequência de passos literários que deambulam pelas memórias do escritor alusivas a Nelas, precisamente dos meados do século XX.
 
Descrição do Percurso:
É um percurso urbano pela vila de Nelas, cujo traçado privilegia o afastamento de eixos de maior circulação rodoviária e travessias das vias rodoviárias em zona de passadeira. Integra 14 pontos de paragem, direta ou indiretamente mencionados nas Crónicas de António Lobo Antunes. Quer a partida (1) como a chegada (14), ocorrem no jardim da Biblioteca Municipal de Nelas – António Lobo Antunes, edifício onde pode obter informação adicional para realizar este percurso. Ao lembrar-se de Nelas (1), António Lobo Antunes recorda-se do comboio (2), da farmácia (3), dos correios (4) e dos rebuçados da loja do Senhor Casimiro (5). Já próximo à casa dos avós (7), recorda-se do espaço onde se fazia a feira (6), das alminhas (8), da vista para a serra da Estrela (10) e do jardim (11) sobranceiro à igreja (12). Um conjunto de memórias diversas que o tempo dificilmente apagará, como a toponímia atual (9) ou a vocação militar outrora assumida pelo atual edifício dos Paços do Concelho (13), apesar de toda a Crónica ter um fim (14). Memórias de uma vila em meados do século XX que pode percorrer atualmente, passando por pedras que também escrevem a história de Nelas como a estação ferroviária (B), as quatro esquinas (C), a Mata das Alminhas (F), a Igreja Matriz (G) ou o edifício da Câmara Municipal de Nelas (H).
 
Biografia
António Lobo Antunes nasceu em 1942, em Lisboa. Formado em Medicina Psiquiátrica, foi mobilizado para o serviço militar em 1970. No ano seguinte, embarcou para a guerra colonial de Angola, permanecendo até 1973. Depois do seu regresso, continuou a exercer a sua atividade clínica até aos anos 80, momento em que se dedica integralmente à escrita.
Em 1979 publicou os seus primeiros livros, Memória de Elefante e Os Cus de Judas, seguindo-se, em 1980, Conhecimento do Inferno. Estes primeiros livros transformaram-no imediatamente num dos autores contemporâneos mais lidos e discutidos no âmbito nacional e internacional. Todo o seu trabalho literário tem sido, ao longo dos anos, objeto dos mais diversos estudos, académicos ou não, e dos mais importantes prémios, nacionais e internacionais, entre os quais se contam o Prémio Juan Rulfo, 2008, Prémio Camões, 2007, Prémio Jerusalém, 2005, Prémio Ovidio, 2003 e Prémio Europeu de Literatura, 2001.
O presente percurso literário é baseado numa parte da obra de António Lobo Antunes, respetivamente as Crónicas. Começaram por ser publicadas nos anos 90, primeiramente no Público e depois na revista Visão. Presentemente, encontram-se reunidas em 6 volumes onde se evidenciam variadíssimos traços que retratam o escritor, destacando-se entre outros, a adolescência, a saudade e a família. Estes traços são capazes de desmitificar e organizar as memórias do escritor que aludem à sua juventude passada na casa dos avós maternos em Nelas. Dos lugares, das ruas, dos edifícios e das pessoas, recordações emotivas da vila de Nelas que António Lobo Antunes eternizou nas suas Crónicas.
Em Nelas, foi-lhe atribuída uma rua com o seu nome em 2001, recebeu a Medalha de Ouro do Município em 2005, ano a partir do qual também deu nome à Biblioteca Municipal.
Nas palavras de António Lobo Antunes “Nelas é muito mais a dimensão do sonho, da distância, do tamanho, dos horizontes” (Entrevista, in O sabor do Dão, Junho de 2005, Nº2, p. 2).


Fonte: Município de Nelas