01 nov
Viseu

GERAL

“Percebemos que o que vinha aí era tremendamente difícil”

por Redação

08 de agosto de 2020, 08:30

Foto Arquivo Jornal do Centro

Com as valências de apoio social desde 2001, a Casa do Povo de Resende, tem disponíveis três respostas sociais. O futuro passa por criar uma nova valência. O presidente da direção, Jorge Caetano, fala da instituição

CLIPS ÁUDIO

Como surgiu a resposta social da Casa do Povo de Resende?
Foi em 2001 que a instituição passou a ter um perfil equiparado a IPSS. Ao longo dos anos, o trabalho que era desenvolvido pela Casa do Povo já tinha a ver com algum apoio social junto das nossas populações. O desafio partiu do antigo presidente da Câmara Municipal. António Borges, em que considerava que era necessário que a ajuda social aos mais idosos, e depois mais tarde com a creche, fosse feita. Viu na Casa do Povo o parceiro certo para esse projeto. Era uma lacuna existente no concelho. Vinte anos depois fazemos um histórico muito positivo do trabalho desenvolvido.

E como têm sido os últimos meses na instituição, devido à pandemia?
Nós ainda estamos com todos os planos de contingência como se ainda nada tivesse acalmado. Tivemos, desde o início, uma postura muito firme e exigente naquilo que foram as recomendações da Direção-geral da Saúde e até antecedemos essas medidas. Logo numa fase inicial percebemos que o que vinha aí era tremendamente difícil. Felizmente, até à data, não tivemos qualquer caso registado na instituição.

A pandemia agravou ainda mais a situação financeira das instituições…
Todas as restrições a que estivemos obrigados fizeram com que a Casa do Povo tenha tido uma diminuição de faturação na ordem dos 20 a 25 por cento, e a despesa aumentou com a aquisição de equipamentos de protecção individual. E muito pouco tem sido o apoio da Segurança Social. Como sou optimista tenho esperança, que aos poucos, se faça justiça a estas instituições.

O futuro passa por um novo projeto? De que trata?
É um projeto há muito pensado. Percebemos que no centro da vila não existe um Centro de dia para apoio aos mais idosos. Temos idosos que em vez de estarem no banco de jardim podiam estar nas nossas salas a ter atividades e a ter refeições a tempo e horas. A Segurança Social, prontamente, deu luz verde ao projeto e neste momento está em fase de licenciamento no município de Resende. Espero que em outubro já estejamos em obras e no início do próximo ano tenhamos o equipamento concluído. Numa primeira faze poderá albergar cerca de 30 pessoas. A obra vai custar cerca de 100 mil euros.

Ouça e trabalhe ao mesmo tempo

Destaques

Podcasts