09 Ago
Viseu

Região

Carrosséis no recinto da Feira de S.Mateus a partir de 21 de julho

por Redação

09 de Julho de 2020, 17:57

Foto Igor Ferreira

CLIPS ÁUDIO

Carrosséis e divertimentos vão estar no Cubo Mágico, em Viseu, a partir de 21 deste mês de julho, no recinto da Feira de S. Mateus. O Governo deu luz verde aos divertimentos itinerantes para funcionarem mediante o cumprimento das regras sanitárias e de segurança.
A Câmara de Viseu espera agora que a Direção-Geral da Saúde dê a conhecer rapidamente as regras, para que estes possam animar a cidade durante o projeto Cubo Mágico.

“Esperamos que a Direção-Geral da Saúde faça público o protocolo de higienização e segurança que permite retomar esta atividade e fazê-lo em absoluta segurança”, disse o vereador da Cultura, Jorge Sobrado.

De 21 de julho a 21 de setembro, o projeto multidisciplinar Cubo Mágico ocupará 18 locais da cidade, um dos quais o Campo de Viriato (recinto habitual da Feira de São Mateus), onde a autarquia pretende colocar os equipamentos de diversão.

“A autorização da Câmara está enquadrada num protocolo de cooperação que foi aprovado há 15 dias e que permite a instalação deste tipo de equipamentos, desde que sejam salvaguardadas duas condições: a questão legal e a questão sanitária”, explicou Jorge Sobrado.

Com a questão legal resolvida pelo despacho publicado em suplemento na quarta-feira em Diário da República e assinado pelo ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, a autarquia espera agora que sejam publicadas as orientações da Direção-Geral da Saúde.

“Estando reunidas essas condições, não há motivo para que esta atividade não tenha uma presença no Cubo Mágico, até pela relevância que anualmente este setor tem na Feira de São Mateus”, frisou.

Segundo Jorge Sobrado, “não era moralmente aceitável que Viseu lhes fechasse essa porta”, porque são “um fator de animação, em segurança, da cidade”, quer para a comunidade, quer para os turistas.

“O convite é para que, reunidas estas condições, possamos viver a cidade de Viseu em segurança, cumprindo estritamente todas as normas e protegendo-nos uns aos outros, mas permitindo-nos sair de casa”, sublinhou.

No Campo de Viriato haverá “uma redução muito significativa do número de operadores” comparativamente ao que costumava acontecer na Feira de São Mateus.

“Globalmente, a ocupação do Campo de Viriato tem uma redução de 80% face ao que é um contexto normal da organização Feira de São Mateus e, neste setor, na casa dos 50%, porque é preciso garantir distâncias sociais entre pessoas, criar corredores de distância entre equipamentos e instalações”, explicou.

Jorge Sobrado frisou que “nunca foi objetivo do município organizar uma Feira de São Mateus com outro nome”.

“A Feira de São Mateus está cancelada, continua cancelada, o que temos é outro programa, um outro projeto, pulverizado na cidade, com 18 locais, entre os quais o Campo de Viriato, que reúne condições técnicas e de espaço excecionais”, acrescentou.

Os restantes espaços que acolherão as iniciativas do Cubo Mágico, como o Parque Aquilino Ribeiro, o Mercado 2 de Maio e as praças do centro histórico são de menor dimensão.

“O que procurámos foi encontrar a justa medida da ocupação, à luz das normas em vigor, para cada espaço”, garantiu.

Metade da programação do Cubo Mágico é de cariz cultural - como exposições, oficinas, micro espetáculos, teatro de rua ou cinema ao ar livre - e outra metade virada para uma experiência turística, estando previstas iniciativas associadas à gastronomia e aos vinhos, entre outras.

O investimento público no evento será de cerca de meio milhão de euros, sendo que a Câmara de Viseu tem a perspetiva de vir a ter um apoio de 350 mil euros de fundos comunitários.

O presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques, lamentou que, apesar do anúncio de apoios do Governo, até hoje não saiba com quanto poderá contar para animar a cidade durante este verão.

“Falei há dois dias com um responsável da região e fui informado que os concursos iam ser lançados na próxima semana. A verdade é que isto não é compatível com os ‘timings’”, lamentou, lembrando que faltam menos de duas semanas para o dia 21.

Ouça e trabalhe ao mesmo tempo

Destaques

Podcasts