17 jan
Viseu

Região

O ano letivo já abriu na escola de queijeiros de Viseu

por Redação

06 de novembro de 2020, 16:51

Foto Igor Ferreira

CLIPS ÁUDIO

A escola de queijeiros de Viseu já abriu as portas esta manhã de sexta-feira (6 de novembro). São dez os alunos que frequentam a turma, que vai aprender tudo sobre a produção do queijo Serra da Estrela na Escola Superior Agrária (ESAV) e em queijarias da região.

Os estudantes, alguns mesmo oriundos do distrito vizinho da Guarda, já se mostraram confiantes com a aprendizagem que irão tirar na nova escola. Uma dessas alunas é Anabela Machado, que vive em Gouveia. Em declarações ao Jornal do Centro, esta mulher considera que o mais importante é obter mais conhecimento sobre os queijos.

“Achei engraçado e interessante ter os queijos em modo biológico, já que eu trato dos animais como trato das minhas frutas. Assim, inscrevi-me nesta escola para qualificar-me e ter mais conhecimento”, diz a mulher que vai fazer queijo artesanal e biológico de cabra e ovelha.

Já Daniel Fonseca, que vem de Seia, diz que está nesta escola porque quer produzir o seu próprio queijo. “Já sou produtor de leite Serra da Estrela e gostaria de complementar a minha atividade”, refere.

“Tenho os conhecimentos básicos, adquirindo-os em casa e falando com pessoas com o qual trabalho, mas acho que é importante saber todos os procedimentos e a legislação, porque não basta apenas fazer a prática. Há coisas que nos passam um pouco ao lado no fabrico e vimos aqui aprofundar todo o conhecimento”, explica.

O presidente da ESAV, António Monteiro, acredita que esta escola de queijeiros pode ajudar a promover um dos melhores produtos da região, formando produtores que contribuam para a economia regional.

“Queremos formar pessoas com competências para elaborar o queijo Serra da Estrela. Oitenta horas de formação serão a semente, mas são suficientes para depois germinar aqui o sucesso que pretendemos nesta região, cativando e fixando pessoas que contribuam para a economia através dos nossos produtos locais”, diz. O responsável frisa que a região tem “potencial económico e turístico”.

Ao todo, a nova escola de queijeiros vai juntar 21 alunos nos politécnicos de Viseu e de Castelo Branco.

A formação surge no âmbito do Programa de Valorização da Fileira dos Queijos da Região Centro, tendo como objetivo a capacitação para o conhecimento das principais técnicas de produção de queijo de Denominação de Origem Protegida (DOP), nas regiões da Serra da Estrela, Beira Baixa e Rabaçal.

Os formandos têm como média de idade 44 anos e formação académica desde o antigo 5.º ano até ao doutoramento. 

Ouça e trabalhe ao mesmo tempo

Destaques

Podcasts