26 fev
Viseu

Região

Quase um ano de atraso nas obras do IP3. Requalificação vai custar mais um milhão de euros

por Redação

06 de fevereiro de 2021, 15:25

Foto Arquivo Jornal do Centro

A empreitada no IP3 arrancou em maio de 2019 e, de acordo com os prazos iniciais, deveria estar pronta em abril de 2020

CLIPS ÁUDIO

As obras de requalificação do IP3 entre Penacova e a Lagoa Azul, no concelho de Mortágua, já deveriam estar prontas em abril de 2020, pelo que estão atrasadas cerca de dez meses. O projeto com um orçamento previsto de 12 milhões de euros, afinal, vai ultrapassar os 13 milhões.

O presidente da Câmara de Viseu, António Almeida Henriques, lamentou na passada quinta-feira (4 de fevereiro) o “atraso flagrante” na empreitada de requalificação do troço do IP3, entre os nós de Penacova e a ponte da Foz do Dão, admitindo que “já me custa falar da desgraça que é o IP3”.

Sem previsão de conclusão das obras, o autarca afirma que esta requalificação “é um remendo” e que não pode ser a solução definitiva para a ligação entre Viseu e Coimbra.

“Eu continuo a achar que virá alguém com visão, deste Governo ou de outro, que recupere a perspetiva da Via dos Duques. Essa sim era estruturante”, defendeu, explicando que “permitiria concluir o IC12, fazer o IC37 entre Viseu e Nelas e depois a ligação a Seia” e a ligação a Sul de Coimbra.

Já se sabe: os atrasos nas obras do IP3 já não são novidade. E o Ministério da Infraestruturas e da Habitação reconhece o atraso de quase um ano e lança várias justificações, entre as quais o "incumprimento de prazos de diferentes atividades que levou a Infraestruturas de Portugal a requerer, ainda em 2019, a apresentação de um Plano de Recuperação de Atrasos".

Para dilatar ainda mais os prazos das obras de requalificação, "as más condições climatéricas sentidas em dezembro/2019, incluindo a ocorrência de duas “depressões” impossibilitaram o cumprimento do Plano de Recuperação.

Já "o escorregamento ocorrido num talude de escavação na zona da obra na madrugada do dia 21 de dezembro de 2020, implicou o corte do IP3 entre os Nós da Espinheira e de Penacova, que obrigou à mobilização de equipamento e pessoal (que deveria estar a ser utilizado na obra) para os trabalhos de remoção de terras e reparação da via necessários à reposição da circulação", esclarece o Ministério.

Além disso, as obras ‘pararam’ por causa de um atraso na entrega das obras de construção dos Nó de Oliveira do Mondego e do Cunhedo, que "apenas pôde ocorrer" em junho de 2020, "após obtenção de licenciamento de natureza ambiental".

Em relação à duplicação e requalificação dos restantes troços do IP3, entre Souselas (IC2) e Viseu (A25), o Ministério explica que "o Projeto Base e o Estudo de Impacto Ambiental já foram concluídos e submetidos a Avaliação de Impacto Ambiental em dezembro de 2020", de forma a manter 2024 como o ano da conclusão das obras em todo o itinerário principal n.º 3.

Neste momento, a empreitada está avaliada em 134 milhões de euros e será suportada apenas por fundos estatais.

Ouça e trabalhe ao mesmo tempo

Destaques

Podcasts