21 jan
Viseu

Joaquim Alexandre Rodrigues

OPINIÃO

A qualidade da contrafacção

Presidenciais, orçamentos, franchises e contrafacções

09 de janeiro de 2021, 08:00

CLIPS ÁUDIO

1. Se a evolução da covid-19 não fizer alterar a data das eleições presidenciais, já só faltam duas semanas e um dia para a ida a votos.
Comece-se por destacar uma evolução muito positiva no orçamento das campanhas:
— os candidatos que não precisaram de partidos para avançar vão ser frugais: Vitorino,16 mil euros; Marcelo, 30.5 mil; Mayan, 38.5 mil;  Ana Gomes, 53.5 mil;
— os candidatos mija-nos-postes, que só concorrem para marcar território para o seu partido, embora se preparem para estraçalhar mais dinheiro, mesmo assim, vão gastar menos do que era costume: Ventura,160 mil euros; Marisa, 256.6 mil; João Ferreira, 450 mil.
A poupança em outdoors, caravanas e comícios é muito louvável e a fartança de debates televisivos tem dado audiências razoáveis. O que não admira: as pessoas estão em casa por causa da peste e do frio e aqueles duelos dão assunto para as redes sociais.

2. O candidato que mais debates perdeu até à hora em que escrevo este Olho de Gato foi, sem dúvida, André Ventura. O homem começou por cilindrar o candidato do PCP, mas depois levou umas abadas de Vitorino Silva, de Tiago Mayan e de Marcelo Rebelo de Sousa.
O líder do Chega, sem surpresa, usa o franchise da ultradireita europeia (nacionalismo, lei e ordem, cristianismo, corrupção das elites, hostilidade à UE) mas sem especial competência. Querer pôr os ciganos no lugar dos islâmicos não pega. Querer ser, ao mesmo tempo, nacionalista e liberal é uma fantasia, a direita populista europeia é por mais estado e não por menos, é paroquial e não cosmopolita.
A contrafacção política de Ventura é de muito má qualidade. Só se está a safar no mercado porque a esquerda identitária e os jornalistas lhe estão sempre a fazer publicidade à borla.

3. Era um bom comerciante, com a sua banca de feira bem organizada, cheia de produtos da Paul & Shark, da Timberland, da Burberry, da Armani, a roupa com bom toque, as malas de senhora com excelente acabamento.
O homem, um idóneo profissional, virou-se para a cliente que avaliava uma mala Gucci e deu-lhe todas as garantias: «Esteja à-vontade, minha senhora, a minha contrafacção é de muito boa qualidade».
Ouvi esta frase extraordinária numa categorizada feira beiraltina. Fui verificar. De facto, a mercadoria era boa. Aquele franchise debaixo de lona tinha requinte, ordem, saber-fazer. E excelentes preços.

Cigano 1 — Ventura 0.

Ouça e trabalhe ao mesmo tempo

Destaques

Podcasts