28 Set
Viseu

Observatório do Bem-estar dos alunos do concelho de Viseu

OPINIÃO

“Quando a cabeça não tem juízo, o corpo é que paga”

Esta conhecida frase diz que o corpo é o reflexo do que se passa na nossa cabeça.

09 de Agosto de 2020, 07:00

CLIPS ÁUDIO

Esta conhecida frase diz que o corpo é o reflexo do que se passa na nossa cabeça. Ou seja, há uma relação direta entre a nossa mente e o corpo, pois perante uma alteração do nosso estado emocional, de sentimentos e pensamentos, independente da origem, há alterações no estado físico. Por exemplo, quando estamos com amigos e nos divertimos sentimos o corpo mais relaxado e aquela dorzinha nos ombros passou. Ou se estamos angustiados ou preocupados surgem dores de barriga, náuseas ou insónias. Isto é, a mente e o corpo formam um sistema único, embora nem sempre seja clara a causa dos sintomas físicos, pois há mecanismos inconscientes nesta ligação. A estes efeitos físicos atribuídos a causas psicológicas chamamos sintomas psicossomáticos.
Os dados do estudo do Observatório do bem-estar dos alunos do concelho de Viseu, realizado em 2018 pela equipa de psicólogos escolares junto de 1715 alunos do 3.º ao 12.º ano indicam que o aumento dos sintomas psicossomáticos (dores várias, insónias, alterações do apetite, …) está associado a mais emoções negativas como a preocupação ou o medo, a uma menor satisfação consigo próprios e com o seu corpo, ao aumento da frequência com que os jovens estão sozinhos nos intervalos, e até a menor satisfação com a Escola e baixo rendimento escolar. Ou seja, a existência de situações negativas na vida pessoal e escolar dos alunos está ligada ao aumento da sintomatologia física.
Neste momento, em que os jovens estiveram tanto tempo afastados dos seus amigos e da Escola e em que pairam muitas incertezas sobre o próximo ano letivo, é natural que a ligação mente-corpo traga sintomas. Alterações do humor, do sono, do apetite, da energia, são indicadores de preocupação e de angústia. Então o que fazer? Procurar clarificar o que pensamos e sentimos e evitar reprimir as emoções, mas também fazer atividades que tragam bem-estar e relaxamento, divertir-se com a família, passear na natureza, … e se nada disto resultar, antes que os sintomas agravem, falar com um psicólogo. Não ignorem o que se passa na mente senão o corpo é que paga…
Equipa de psicólogos em contexto escolar, Observatório do Bem-estar dos alunos do concelho de Viseu, apoiado pela Câmara Municipal de Viseu, no âmbito do Programa Viseu Educa

Ouça e trabalhe ao mesmo tempo

Destaques

Podcasts